Foto: Ronaldo Teixeira /AGORA MT

“O governo Silval precisa buscar o diálogo para encontrar uma solução. Não é possível que nós vamos ficar parados por falta de entendimento. O que o Governo não pode fazer agora, já que alega ter uma limitação orçamentária, sente , discuta e negocie para ver o que pode ser feito depois, mas temos que dialogar”, defendeu o deputado Percival Muniz (PPS) logo após se reunir na segunda-feira, dia 1, com os policiais civis, na Câmara de Vereadores de Rondonópolis.

O deputado estadual Percival Muniz se comprometeu em tentar ajudar nas negociações, recebeu a lista de reivindicações e reconheceu a luta como justa. “Tenho respeito a categoria e serei solidário ao movimento”, disse  Percival, o único deputado da região presente à reunião com os policiais civis.

Leia também:  Indea abre inscrições para treinamento voltado a médicos veterinários autônomos

Ele acrescentou que já vem alertando o governo do Estado, desde que iniciaram os movimentos paredistas de servidores no  primeiro semestre, para necessidade de iniciar urgentemente a discussão de uma política salarial que envolva todos os servidores. Segundo Muniz, o governo não pode “empurrar mais com a barriga” essa situação, dando apenas aumentos pontuais, gerando assim as diferenciações e insatisfações.

“Já venho alertando algum tempo que é extremamente necessário se  fazer a discussão de uma política salarial. Mas, uma discussão franca e transparente.  Pois, a situação está insustentável e que só vai se resolver se o governo fazer essa reflexão e chamar todos para fazer esse debate. Não dando aumentos pontuais, que vão gerando insatifações ”.

Leia também:  Prevenção de drogas será tema de capacitação em Rondonópolis

Mato Grosso vive uma onda de greves. Também, neste momento, estão paralisados, além dos policiais civis, os servidores da secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) e o Detran (Departamento  de Trânsito). Por outro lado, já retornaram as atividades servidores da Empaer  (Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural) e os professores, que ficaram meses de braços cruzados.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.