Foto: Ronaldo Teixeira /AGORA MT

“O governo Silval precisa buscar o diálogo para encontrar uma solução. Não é possível que nós vamos ficar parados por falta de entendimento. O que o Governo não pode fazer agora, já que alega ter uma limitação orçamentária, sente , discuta e negocie para ver o que pode ser feito depois, mas temos que dialogar”, defendeu o deputado Percival Muniz (PPS) logo após se reunir na segunda-feira, dia 1, com os policiais civis, na Câmara de Vereadores de Rondonópolis.

O deputado estadual Percival Muniz se comprometeu em tentar ajudar nas negociações, recebeu a lista de reivindicações e reconheceu a luta como justa. “Tenho respeito a categoria e serei solidário ao movimento”, disse  Percival, o único deputado da região presente à reunião com os policiais civis.

Leia também:  Santa Casa amanhece de portas fechadas

Ele acrescentou que já vem alertando o governo do Estado, desde que iniciaram os movimentos paredistas de servidores no  primeiro semestre, para necessidade de iniciar urgentemente a discussão de uma política salarial que envolva todos os servidores. Segundo Muniz, o governo não pode “empurrar mais com a barriga” essa situação, dando apenas aumentos pontuais, gerando assim as diferenciações e insatisfações.

“Já venho alertando algum tempo que é extremamente necessário se  fazer a discussão de uma política salarial. Mas, uma discussão franca e transparente.  Pois, a situação está insustentável e que só vai se resolver se o governo fazer essa reflexão e chamar todos para fazer esse debate. Não dando aumentos pontuais, que vão gerando insatifações ”.

Leia também:  Oito casos de tráfico de pessoas para trabalho escravo é registrado em MT

Mato Grosso vive uma onda de greves. Também, neste momento, estão paralisados, além dos policiais civis, os servidores da secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) e o Detran (Departamento  de Trânsito). Por outro lado, já retornaram as atividades servidores da Empaer  (Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural) e os professores, que ficaram meses de braços cruzados.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.