Rodrigues e os hatianos na cidade de Brasiléia no Acre - Foto: Alexandre Lima / O Alto Acre

Procurador do Ministério Público do Trabalho em Rondonópolis, Fábio Fernando Pássari, informou a redação do AGORA MT, que o irá acompanhar junto com a Polícia Federal na manhã desta sexta-feira, a situação dos 41 haitianos que foram contratados pela rede de supermercados Big Master para trabalhar. “Existe uma determinação do Ministério do Trabalho para agilizar a situação de haitianos que migraram para o país”, afirmou Fábio Pássari.

Cerca de quatro mil haitianos já entraram clandestinamente no país, mas, segundo o Ministério da Justiça, pouco mais de 1.600 já estão com a situação regular. Os haitianos entram no Brasil principalmente pelas fronteiras da Bolívia, Peru e Colômbia. De acordo com o secretário executivo do Ministério da Justiça, Luiz Paulo Barreto, depois que houver uma regularização dos imigrantes irregulares, será imposta uma cota de entrada, de 100 vistos mensais, para a entrada de haitianos legalmente no país, “A partir do momento que se regularize todos que estão aqui, os que futuramente entrarem de maneira irregular, a lei determina que sejam notificados para deixarem o país e se não deixarem, é até mesmo sujeito à deportação”.

Leia também:  AMM aciona secretaria para garantir repasse de recursos da saúde

O procurador Fábio Pássari lembrou que apesar de haver uma determinação específica para que os haitianos que já entraram de forma irregular no país possam ter a regularização imediata da sua situação algumas regras para a contratação de estrangeiros tem que ser cumpridas, “Vamos acompanhar o caso, mas, existe uma cota de 2/3 de empregados brasileiros que devem ser garantidas em empresas que contratam estrangeiros”, alertou.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.