A direção da Secretaria Municipal de Saúde esteve na manhã desta terça-feira (4) junto a profissionais do Estado no Escritório Regional do setor, na Vila Aurora. O motivo da reunião é o planejamento quanto as campanhas de vacinações 2012, especialmente a de poliomielite, ainda neste mês. O consenso criado é de que a abrangência tem de ser mais efetiva, já que nos últimos rastreamentos feitos as metas têm sido atingidas, no entanto, uma grande parcela da população ainda ficando ‘descoberta’.

A discussão pairou na avaliação dos postos de atendimentos e das campanhas realizadas nos últimos cinco anos. Com o intuito de divulgar ainda mais os atos, foram convidados a participar alguns clubes de serviço atuantes em Rondonópolis. O Rotary Clube se colocou à disposição para ajudar a fomentar os dias ‘D’ por todas as organizações parceiras e assim difundir as datas para o maior número de pessoas possíveis.

Leia também:  Projeto “O Rio é Nosso” reuniu mais de 1,6 mil voluntários para limpeza do Ribeirão Arareau

A diretora do Escritório Regional, Geraldina Ribeiro, diz que as campanhas de vacinação não estão sendo levadas com a seriedade que deveria pela população. “Infelizmente as vacinações tem sido banalizadas no cotidiano popular. Os pais não se preocupam como deveriam em manter a rigorosidade que deveriam e o ônus disso depois recai sobre a saúde pública”, argumenta.

Sugestões

Foram levantadas várias sugestões pelos profissionais participantes da discussão acerca de um planejamento mais eficaz das campanhas. Entre os principais argumentos foram levantadas as possibilidades de: Buscar proximidades com líderes de bairros em reuniões para popularizar o assunto, apoio das igrejas e movimentos comunitários, capacitação profissional e atualização técnica dos profissionais envolvidos e vários outras.

Leia também:  Instituto de Brasília realiza curso para assessores em Rondonópolis

O secretário Municipal de Saúde, Valdecir Feltrin, avaliou positivamente a reunião com todos os envolvidos no processo de planejamentos das ações. “É fundamental. Temos de identificar os pontos críticos e o que não está dando errado para com eficiência sanar as deficiências que estão impedindo de chegarmos a um número maior de pessoas imunizadas”, resumiu.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.