A Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso (Aprosoja-MT) e Ministério da Agricultura estão preocupados com o cenário favorável para casos de ferrugem asiática nas lavouras de soja do Estado. Durante o período do vazio sanitário, entre os meses de junho e setembro, equipes percorreram as principais regiões produtoras e encontraram muitas plantas de soja viva contaminadas pela doença.

O coordenador de Defesa Sanitária Vegetal do Ministério da Agricultura, Wanderlei Guerra, destacou que o risco destas plantas contaminarem as plantações é muito grande. O surgimento destas plantas é explicada, segundo ele, pelo prolongamento do período chuvoso nos meses de maio e junho, e pela falta de um trabalho de dessecamento nas lavouras e também nas margens de rodovias, onde foram encontradas a maioria delas.

Leia também:  Acidente com caminhão carregado com óleo biodiesel derrama em rio de MT

Em 92% dos 217 pontos vistoriados pelas equipes, foi encontrada soja viva. O que mais preocupou, conforme Guerra, foi que 79% dos pés estavam contaminados com ferrugem. “Estamos fazendo testes nestas plantas para saber quanto tempo a doença permanece nas folhas secas e contamina outras plantas. Mas com certeza elas aumentam o risco de infestar as novas plantações”.

A fiscalização do Indea, em 2800 propriedades, também encontrou irregularidades em 308 delas. Um total de 41 produtores foram autuados por, mesmo após notificação do instituto, não removerem as plantas de suas lavouras. O número foi maior que no ano anterior, o que também preocupada o órgão. “Os produtores não estão fazendo sua parte e com isso o risco de doenças nas plantações é muito grande”, relatou o coordenador de Defesa Sanitária Ronaldo Medeiros.

Leia também:  MPE ingressa com ação para que Samu seja instalado em Sinop

A orientação, segundo o gerente da Aprosoja, Nery Ribas, é que os sojicultores fiquem alertas e monitorem as lavouras desde o início do plantio. A maior preocupação, aponta ele, é na época da floração das plantas, quando a incidência da doença pode ser maior. O aumento nos custos com aplicação de fungicidas pode encarecer a safra. “Pedimos que o setor fique alerta, faça todas as aplicações necessárias, para minimizar os prejuízos”.

Na safra passada, Sinop foi a campeã em casos de ferrugem nas plantações de soja.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.