O relator do processo do mensalão no STF (Supremo Tribunal Federal), Joaquim Barbosa, disse nessa quarta-feira (10) que não pretende se candidatar a nenhum cargo público. Até um site anônimo foi lançado incentivando a candidatura do magistrado à presidência do Brasil.

—Não, de forma alguma, eu nunca fiz política, não seria agora que iria fazê-lo.

O ministro diz que o carinho que recebe nas ruas e na internet é uma prática comum dos brasileiros. Mas que não se candidataria.

—É a manifestação dos brasileiros, é excelente. Mas não, não, não nunca me candidataria. Quem está acostumado a frequentar o Tribunal já sabe que essas manifestações acontecem. Não só comigo.

Leia também:  Horário de verão pode ter seus dias contados para não mais existir no Brasil

O ministro explica que a aproximação do Supremo com a sociedade é um fenômeno comum, não apenas no Brasil. Isso é fruto, segundo o magistrado, da nova configuração que a divisão dos poderes tomou.

—Atribuições que no passado remoto eram típicas dos poderes eleitos passaram para a alçada das cortes de justiça, especialmente supremas.

Fama na internet
Em um site intitulado “Joaquim Barbosa presidente”, internautas dizem querer levar o ministro à presidência. O autor da página não se identifica, mas fez até um logotipo com a foto do magistrado e seu nome nas cores verde e amarela.

No site, o internauta que assina como Marcus Vinícius Saioro de Oliveira escreveu: “Um cara que veio lá de baixo e sabe dar valor ao trabalho, à honra e a dignidade. Não vai ser mais um Mauricinho que concorre e depois se dá bem. Ou mesmo um humilde que foi manipulado, manipulou e saiu virtuoso do mensalão”.

Leia também:  Policial reage a tentativa de assalto e mata bandido em São Paulo

Outros colocam em Joaquim Barbosa a expectativa de ver o ministro atuando no combate à corrupção. “Ideia sensacional! Vamos eleger este cidadão que vai espantar todos os ratos e parasitas da nação”, assina Lourivan Coelho Pinto.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.