Renan Calheiros 2Depois de muita especulação, a bancada do PMDB confirmou o nome do senador Renan Calheiros (AL) para a disputa da presidência do Senado que ocorre hoje (1º) a partir das 10h. Segundo o presidente nacional do partido, Valdir Raupp, todos os 17 senadores presentes à reunião da bancada votaram pela indicação de Renan.

Quase seis anos depois de renunciar  à presidência do Senado para não correr o risco de ter o mandato cassado, Renan Calheiros poderá voltar hoje a presidir a Casa e também o Congresso Nacional. Como presidente do Senado, Renan também passa a ser o terceiro nome na linha sucessória do país.

Os peemedebistas também aprovaram hoje o nome do senador Romero Jucá (RR) para disputar a segunda vice-presidência da Casa, já que a primeira vice ficará com o PT, que indicou o senador Jorge Viana (AC).

Leia também:  Deputado Sebastião Rezende constata três trechos em obras na MT-040

Segundo o novo líder do PMDB, senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), internamente, Renan Calheiros apresentou aos colegas as razões pelas quais pretende disputar a presidência do Senado. Apresentou sua plataforma de gestão, com cerca de dez propostas, que incluem, segundo Eunício, a modernização e desburacratização do Senado, redução de custos, aprovação do Fundo de Participação dos Estados (FPE) e a aprovação de medidas para fortalecer o pacto federativo.

Mesmo após a oficialização de sua candidatura, Renan Calheiros não se manifestou publicamente. De acordo com Eunício, Renan vai se pronunciar hoje no plenário da Casa. No início do mês, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) abertura de inquérito para investigar a conduta de Renan. O senador alagoano nega as acusações e afirma que foi ele quem pediu a investigação.

Leia também:  Reunião com Núcleo Gestor do Plano Diretor acontece na Câmara de Vereadores na quinta-feira

Um dos pontos da denúncia do Ministério Público Federal, que está sob segredo de Justiça, diz respeito às suspeitas de que Renan teria usado notas frias para comprovar o pagamento mensal de R$12 mil de pensão alimentícia. O pagamento era feito por um lobista da empreiteira Mendes Júnior, à jornalista Mônica Veloso, com quem o senador tem uma filha.

Para o líder peemedebista, as denúncias contra Renan Calheiros não devem prejudicar a eleição do alagoano. “São denúncias antigas, são fatos conhecidos da opinião pública e amplamente divulgados pela imprensa, mas são os senadores que decidirão”, frisou Eunício.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.