Mais de cem reeducandos que estão no regime prisional semiaberto e aberto vão participar de cursos nas áreas de construção civil, tecnologia de informação e eletroeletrônica em Cuiabá. Os cursos terão início até o próximo mês. A parceria foi assinada nesta segunda-feira (22), por meio de um Termo de Cooperação Técnica, entre o Ministério Público Estadual e o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), na sede do Sistema Federação das Indústrias no Estado de Mato Grosso (Fiemt), na Capital. O projeto elaborado pela Corregedoria Geral de Justiça será executado pelo Núcleo de Execuções Penais do Ministério Público.

O principal objetivo é desenvolver ações que visem a qualificação de mão de obra através do desenvolvimento de cursos para os reeducandos. De acordo com o procurador-geral de Justiça Paulo Roberto Jorge do Prado, essa parceria poderá se tornar referência nacional diante da importância social do projeto. “Existem pessoas que cometeram crimes e do lado de fora de uma prisão não sabem dar um novo rumo à vida. Essa iniciativa vai proporcionar esperança à essas pessoas e, tenho certeza, não retornarão ao mundo do crime. A união de esforços proporciona resultados eficientes”, destaca o procurador-geral.

Leia também:  Governo do Estado lança programa de combate ao analfabetismo

Inicialmente, o projeto vai atender 114 reeducandos que foram cadastrados na capital. Mas a proposta é que os cursos se estendam a Rondonópolis e, futuramente, a outros municípios do Estado. De acordo com o promotor de Justiça Joelson de Campos Maciel do Núcleo de Execuções Penais foi feita uma entrevista com cada reeducando que teve interesse pelo projeto. Os reeducandos do regime aberto tem auto disciplina e deve controlar sua conduta. Caso haja algum descumprimento do termo assinado, o Senai encaminhará a situação da conduta do participante ao Ministério Público que tomará as medidas cabíveis. “A intenção é ampliar essa ressocialização que também colabora na remissão de pena”, informa o promotor de Justiça.

Leia também:  CGE constata sobrepreços nos procedimentos judicializados

O corregedor geral do Ministério Público, Mauro Viveiros, reforça que essa iniciativa busca apoiar os indivíduos que estão no semiaberto e em medidas alternativas. “A ideia é capacitar por meio do Senai para que esses reeducandos possam produzir para suas famílias. Estamos constituindo acompanhamento das penas e do trabalho pelo egresso”, afirma o corregedor.

Em princípio cinco cursos foram escolhidos voltados para o setor da construção civil, que hoje é uma grande necessidade do mercado de trabalho, explica a diretora regional do Senai, Lelia Rocha Abadio Brun. A diretora refoça que “a proposta vai contribuir para a construção de uma cidadania onde o foco é a profissionalização. Queremos ampliar essa qualificação para outros municípios, além de Cuiabá e Rondonópolis”.

Leia também:  Fies divulga resultado do segundo semestre de 2017

O cronograma de execução dos cursos está sendo elaborado pelo Senai. Dos cursos selecionados, alguns possuem carga horária com duração de até quatro meses. O gerente de educação e tecnologia do Senai, Rubens de Oliveira afirma que após a conclusão dos cursos, o reeducando poderá ser inserido no mercado de trabalho. “Temos as aulas teóricas e práticas. No curso de pedreiro, por exemplo, a pessoa vai realmente executar uma obra. Ele recebe todas as condições para sair um profissional”, pontua o gerente.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.