A opinião dos consumidores em relação ao mercado de trabalho piorou 7,2% entre junho e julho deste ano, segundo dados do Indicador Coincidente de Desemprego (ICD) da Fundação Getulio Vargas (FGV) divulgados nesta segunda-feira (12). A piora nas avaliações do consumidor sinalizam possível aumento da taxa de desemprego em julho.

Das quatro classes de renda consultadas pela FGV, as que mais contribuíram para a piora do indicador foram a mais baixa (até R$ 2.100) e a mais alta (mais de R$ 9.600). A avaliação dos consumidores com renda familiar até R$ 2.100 piorou 11,5%, enquanto a piora entre os consumidores com renda superior a R$ 9.600 foi 7,5%.

O Indicador Antecedente de Emprego (Iaemp), outro índice divulgado pela FGV, que avalia o futuro do mercado de trabalho com base nas sondagens da indústria, do setor de serviços e do consumidor, também mostrou resultado negativo para o mercado de trabalho.

Leia também:  Receita Federal paga nesta segunda (16) o 5º lote de restituição do IR 2017

De acordo com a FGV, o indicador caiu 5,7% entre junho e julho. Essa foi a maior queda do índice desde novembro de 2008 (-18,7%), período da crise mundial. Segundo a FGV, o resultado “sinaliza, para os próximos meses, um aprofundamento da tendência de desaceleração do ritmo de contratações observada nos últimos meses”.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.