Foto: João Vieira/Jornal A Gazeta
Foto: João Vieira/Jornal A Gazeta

Primeiro condenado do mensalão autorizado a trabalhar fora da prisão, o ex-deputado federal Pedro Henry (PP-MT) cumpriu ontem seu primeiro dia de expediente em um hospital de Cuiabá.

Henry, que é médico legista e especialista em medicina hiperbárica (terapia com oxigênio), chegou pouco antes das 7h ao Hospital Santa Rosa, o maior da rede privada de Mato Grosso. Segundo a assessoria da instituição, ele assumiu o cargo de coordenador administrativo, com salário de R$ 7.500, e não terá atuação clínica. O hospital não autorizou a entrada de repórteres.

Condenado a sete anos e dois meses em regime semiaberto por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, Henry renunciou ao mandato no último dia 13, logo após o STF (Supremo Tribunal Federal) ter decretado sua prisão.

Leia também:  Rezende articula mudanças à confecção da carteira de identidade em Rondonópolis

O principal controlador do hospital é a família Maluf, uma das mais ricas do Estado, com atuação principalmente na construção civil. Na política, o representante mais destacado é o médico Guilherme Maluf (PSDB), deputado estadual –não há parentesco próximo com o deputado Paulo Maluf (PP-SP).

No hospital, funciona uma clínica que consta da declaração de bens entregue em 2010 pelo ex-deputado à Justiça Eleitoral. No documento, Henry afirma ter cotas da Clínica Hiperbárica Santa Rosa. Uma sobrinha, médica, é diretora técnica da clínica.

O advogado de Henry, Décio Arantes, disse ter assumido sua defesa ontem e que não tinha como comentar o tema. A assessoria do hospital disse que a clínica aluga um espaço e que essa é a única ligação entre as empresas. A clínica não respondeu aos recados da reportagem.

Leia também:  Câmara rejeita projeto de novo cálculo do IPTU

TRANSFERÊNCIA

Henry havia sido detido na Papuda, em Brasília, mas acabou transferido em 27 de dezembro, após obter autorização para cumprir pena no anexo da Penitenciária Central do Estado, em Cuiabá.

Anteontem, atendendo pedido da defesa, a Vara de Execuções Penais de Cuiabá autorizou sua saída da prisão das 6h às 19h em dias úteis. Aos sábados, a volta deverá ser às 14h, e aos domingos e feriados não haverá saída.

Outros presos do mensalão esperam resposta de pedido para trabalhar. O ex-deputado Pedro Corrêa (PP-PE), por exemplo, preso em Pernambuco, já teve rejeitada solicitação para atuar em Santa Cruz do Capibaribe (PE). Detalhe: ele também é médico.

Leia também:  Janot recusa transmitir cargo para sua sucessora Raquel Dodge
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.