O procurador eleitoral Douglas Fernandes remeteu ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, a representação criminal contra o governador eleito Pedro Taques (PDT) sobre suposto abuso de poder econômico com a realização de um churrasco para mais de 100 pessoas e distribuição de comida e bebida em um posto localizado no Distrito Industrial, de propriedade de Aldo Locatelli, um dos apoiadores da campanha de Taques.

“Recebi a representação, mas ela foi encaminhada ao procurador-geral da República que tem atribuição de investigar um senador e não a procuradoria regional. Eu não tenho essa atribuição”, explicou.

Pedro Taques diz que confia na Justiça e sustentou que não sabia da festa ou que tivesse ido até o local. “Não fizemos nada de errado, confio no nosso jurídico. Primeiro que nem sabíamos dessa festa, nem estavamos nessa festa isso é desespero de quem perdeu a eleição. Quem perdeu tem o desespero e tem que ir atrás. Não teve voto, perdeu a eleição”.

Leia também:  Pátio deve chamar Celson para ser interlocutor com a Câmara

O governador eleito disse que não é homem de ter medo de ação. “Eu não tenho tempo para ter medo. Uma pessoa como eu que combateu o crime organizado, que deixou o Ministério Público, me exonerei e entrei em uma campanha com 3% contra tudo e contra todos, me destaquei no Senado quando muitos diziam que eu seria medíocre e fui eleito com 58% dos votos em Mato Grosso, não tenho tempo de ter medo”.

O advogado da coligação Coragem e Atitude pra Mudar, Paulo Taques, diz que vai esperar a notificação da Procuradoria Geral da República para fazer a defesa.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.