Quase três anos após a morte da estudante de apenas 16 anos, Maiana Mariano Vilela, em Cuiabá, deve ser marcado nos próximos dias o julgamento dos acusados do crime. O caso teve repercussão nacional e chocou todo o Estado.

Mesmo após recorrer, deveram ir a júri popular, Rogério Amorim, que na época apesar de ser casado tinha um relacionamento amoroso com a vítima e foi apontado como mandante do crime, Paulo Martins que foi apontado como executor da garota e Carlos Alexandre que teria ajudado Paulo.

Maiana foi morta no dia 21 de dezembro de 2011, porém o corpo só foi encontrado em 25 de maio do ano seguinte no Distrito do Coxipó do Ouro, na capital. Durante as buscas pela jovem surgiram várias linhas de investigação como a fuga da jovem por vontade própria. Rogério Amorim inclusive ajudou a família na busca pela garota.

Leia também:  Vítima tem sua moto zero km roubada em oficina no Jardim Serra Dourada

Os acusados podem pegar de 12 a 30 anos de prisão.

Leia também:

Justiça recebe denúncia contra acusados de matar menor em Cuiabá

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.