Dez computadores, dois notebooks e mais de 20 caixas com documentações diversas foram apreendidas nesta terça-feira (18), durante a Operação Camaleão, promovida pelo Ministério Público Estadual, por meio do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) e Núcleo de Ações de Competência Originária (Naco), no município de Várzea Grande. Ao todo, foram cumpridos 11 mandados de busca e apreensão.

De acordo com o MPE, a operação teve como objetivo desmantelar organização criminosa instalada na Prefeitura Municipal de Várzea Grande para a prática de delitos de corrupção, peculato e fraude a licitação. As buscas e apreensões foram realizadas nas secretarias de Administração, Assistência Social, Saúde, Viação Obras e Turismo, Serviços Públicos e Transporte; no gabinete do prefeito, no depósito e na sede da empresa “Carneiro Carvalho”, em um escritório de contabilidade e em duas residências.

Leia também:  Estão abertas as inscrições para a 6ª edição do Integra Suas em Sinop

“Todo esse material arrecadado será analisado e quem tiver responsabilidade nesse elo criminoso vai ser responsabilizado para que esse mal endêmico que é a corrupção possa sair do noticiário brasileiro”, ressaltou o coordenador do Gaeco, promotor de Justiça Marco Aurélio de Castro.

Segundo ele, as fraudes vinham sendo cometidas nas áreas de execução de contratos e em obras de edificações e reformas. Além de atestados falsos para habilitação no processo licitatório, foram verificadas irregularidades na execução dos contratos.

“O próprio Tribunal de Contas do Estado já havia deliberado em suspender o pagamento desses contratos e paralelamente a isso o Ministério Público por meio do Gaeco e Naco vinham investigando o perfil criminoso de quem estava gerindo esse contrato e de quem estava retirando o dinheiro ilicitamente do município de Várzea Grande”, acrescentou o promotor de Justiça.

Leia também:  Governo liquida folha de servidores e faz repasses à Saúde e municípios

Após a análise dos documentos apreendidos, o MPE dará início às oitivas e interrogatórios dos investigados.

PRISÃO

Durante a operação, o irmão do prefeito de Várzea Grande, Josias Guimarães, foi preso por porte ilegal de armas e encaminhado à Central de Flagrantes. Ele tinha em sua posse espingardas com calibres de uso restrito às Forças Policiais e Forças Armadas, pistolas, além de munições.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.