Após denúncia feita no mês de março pelo Sindicato dos Servidores do Detran-MT (Sinetran-MT) que havia um financiamento indireto do Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso (Detran-MT) para o Sindicato dos Centros de Formação de Condutores (SINDCFC), a procuradora Amanda Fernandes Ferreira Broecker notificou o presidente da entidade Eugênio Ernesto Destri para que corrija a ilegalidade no prazo de 30 dias.

A notificação recomendatória do MPT foi expedida no dia 31 de outubro e o Detran foi notificado na semana passada. A irregularidade denunciada pelo Sinetran acontecia da seguinte forma: quando a auto-escola protocola algum processo no Detran-MT, ela é obrigada a colocar o número do contrato feito com o usuário, porém essa sequência de número só é obtida com o SINDCFC que cobra para fornecer cada número. Há muito tempo que o Detran-MT obriga os Centros de Formação de Condutores (CFC) a seguir a sequência contratual daquele sindicato, porém só este ano o Sinetran-MT teve condições de documentar tudo e denunciar a situação, que fere os princípios constitucionais sindicais e da administração pública.

Leia também:  Comércio lidera geração de empregos em Nova Mutum

No pedido de investigação, o Sinetran anexou documentos mostrando que se o Centro de Formação de Condutores não pagar ao SINDCFC, não recebe o número de contrato e consequentemente não pode prestar seus serviços.

Esse tipo de situação aconteceu no Detran do Estado do Piauí e também teve intervenção do MPT de lá por ser uma ingerência do poder público na atividade sindical, colocando o sindicato em posição de dependência direta com a autarquia de trânsito.

Outra situação foi a portaria n. 090/2006/GP/DETRAN/MT, instrumento utilizado pelo DETRAN/MT à época para obrigar que todos os processos de habilitação de condutores de automotores fosse instruído com o “contrato de adesão de serviços” com o SINDCFC.

Leia também:  Governo lança edital para Bolsa Atleta 2017

“Não vamos permitir qualquer irregularidade ou abuso por parte da direção do Detran que prejudique os usuários que precisam dos seus serviços”, afirmou a presidente do Sinetran-MT Daiane Renner.

Para ela, agora é necessário que o Ministério Público Estadual – MPE investigue quais os motivos que fazem a direção do Detran-MT promover esse financiamento ao SINDCFC.

“Temos a informação de que é em troca de apoio político a determinado deputado, mas é algo que deve ser investigado para se comprovar a veracidade dos fatos”, conclui Daiane.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.