suspeito homicídio serra dourada jhon lenon de sousa cunhaOs investigadores da 2ª Delegacia de Polícia (Delegacia de Vila Operária – 2ªDP), esclareceram no início da tarde desta quarta-feira (14), mais um caso de homicídio registrado no fim do ano passado em Rondonópolis. O rapaz identificado como Jhon Lenon de Sousa Cunha (foto), 24 anos, é o suspeito de assassinar com quatro tiros a jovem Liliane de Brito Silva, 23 anos, em 27 de dezembro, no bairro Serra Dourada.

LEIA TAMBÉM – Mulher morre a caminho do Hospital após levar quatro tiros no Serra Dourada

Conforme apurou a investigação, o esposo da vítima identificado como Paulo Ricardo, teria tentado matar Jhon Lenon há algum tempo. Como atualmente Paulo está preso na penitenciária Major Eldo de Sá Correia, a Mata Grande, o suspeito vingou a rixa passada, assassinando Liliane.

Leia também:  Polícia recupera carro minutos após o roubo no Residencial Planville

O mandado de prisão de Jhon Lenon foi expedido hoje (14), entretanto, o mesmo já estava preso em Jaciara (distante cerca de 72 quilômetros de Rondonópolis), desde o dia 3 de Janeiro, quando foi pego com duas porções aparentando ser pasta base de cocaína.

Quando foi preso o mesmo informou se chamar Alex Almeida, mas a delegacia de lá, em sintonia com a 2º DP, revelou que o rapaz tinha outro nome e era suspeito de um homicídio.

Ainda de acordo com os investigadores, Jhon ficará preso em Jaciara até que a justiça determine que ele seja transferido para a Mata Grande, mesmo local onde Paulo Ricardo (esposo da vítima) está preso. “Ele disse não temer o encontro”, detalha o investigador.

Leia também:  Três são presos por crimes de roubo e receptação em Rondonópolis

O suspeito também já tem passagens pela polícia por roubo.

O CRIME E A FUGA

Em depoimento à polícia, Jhon Lenon revelou que no dia do crime teria tido uma discussão com a vítima em um bar. Ao serem apartados, ele teria entrado no seu veículo, um Gol de cor vermelha, junto com esposa e filho e ido embora.

“Ele pediu que a esposa se abaixasse e também mandou que as pessoas ao redor de Liliane corressem. Momento em que a vítima de costa para rua e sentada em uma cadeira o chamou de covarde e duvidou que o mesmo atirasse”, afirma o investigador com base no depoimento do suspeito.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.