Uma pesquisa de opinião pública realizada a cada dois anos pela Vetor Pesquisas, em Cuiabá, apontou que 45% dos chefes de famílias cuiabanos mostram descontentamento com a situação geral do Brasil e acreditam que deve piorar até 2016. Conforme os dados da pesquisa, 62% dos entrevistados fazem uma avaliação negativa do governo da presidente Dilma Rousseff (PT), considerando “péssima” a atual gestão. Dos entrevistados, 75% afirmaram que não confiam na petista e 77% revelaram estar insatisfeitos com a sua gestão.

A pesquisa que pertence ao projeto “Nossa casa 2015” da Vetor Pesquisas foi realizado entre os dias 20 a 30 de março. Foram ouvidos 500 chefes de família, na capital mato-grossense, dos quais 37% também demonstram pessimismo quanto a conjuntura mundial.

Leia também:  Bolsonaro passa Lula e lidera pesquisas para presidência de 2018

Quanto a situação em Cuiabá, os olhares também são pessimistas, 33% dos entrevistados acreditam que a capital mato-grossense tende a piorar. Porém, mesmo com as perspectivas não muito positivas no cenário geral, 77% dos entrevistados disseram que estão satisfeitos em morar em Cuiabá.

Já ao serem questionados quanto ao atual governo de Mato Grosso, 44% dos entrevistados disseram que o Estado deve melhorar no próximo ano. De acordo com a socióloga e diretora geral da Vetor, Miriam Braga, há uma expectativa maior quanto ao governo de Pedro Taques (PDT), por ser uma gestão estadual nova.

Dos entrevistados, 44% disseram que confiam parcialmente no governador Pedro Taques (PDT) e 22% totalmente. Sendo que 36% avaliaram a atual administração como ‘boa’, 29% como ‘regular’, 6% como ‘ótima’, já 10% disseram estar ‘ruim’ e outros 10% avaliaram como péssima.

Leia também:  Por RGA, 50 servidores de Rondonópolis manifestam na capital

Quanto a qualidade dos serviços públicos, a coleta de lixo aparece com o melhor índice de desempenho, 67% de avaliação positiva, seguida da construção de casas que obteve 62% de qualidade. A saúde pública obteve apenas 32% de avaliação positiva.

A margem de erro da pesquisa é de 4,3% e o intervalo de confiança é de 95%. Mais informações dos dados da pesquisa podem ser acessadas no link.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.