O ex-ministro do STF, Joaquim Barbosa - Foto: Varlei Cordova / AGORA MT
O ex-ministro do STF, Joaquim Barbosa – Foto: Varlei Cordova / AGORA MT

A programação da 43ª Exposul contou na manhã desta segunda-feira (10), com a palestra do ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa. Aguardada por cerca de 800 pessoas, entre autoridades políticas, agricultores, empresários, imprensa e sociedade civil, a palestra com o tema “As instituições do Estado democrático de direito em tempos de crise”, iniciou por volta das 10h20 e durou cerca de 40 minutos.

Durante a palestra, que ocorreu após a solenidade de abertura da Vitrine Agropec, o ex-ministro, explicou de forma ponderada, sobre as questões históricas políticas do país, sobre a função do presidente da República, Constituição Federal Brasileira e sobre o órgão ao qual esteve à frente, o Judiciário, tendo inclusive, o classificado como ‘neutro’.

Leia também:  Mutirão Fiscal acontece na Prefeitura de 16 a 31 de outubro

Após elucidar os tópicos durante a palestra, de forma bastante técnica, assuntos polêmicos tais como Lava Jato, impeachment da presidente Dilma, cooperativismo no âmbito político, só vieram a tona durante os questionamentos do público. Ao qual, Joaquim Barbosa, não teve como fugir e respondeu as perguntas do público por exatos 20 minutos.

Palestra com o Ex-ministro Joaquim Barbosa
A palestra durou cerca de 40 minutos – Foto: Varlei Cordova / AGORA MT

O ex-ministro foi questionado quanto a antecipação de sua aposentadoria, a qual explicou, que não foi uma decisão impensada, tendo negado, ter cedido a pressões políticas. “A minha decisão foi pessoal, acredito que os órgãos não devem ser ocupados eternamente, os órgãos de ‘culpa’. Eu já vinha cogitando há algum tempo. Esperei o momento certo, quando as questões principais estavam no rumo de ser resolvidas, entendi que era a hora de sair”, relatou.

Leia também:  Sarau literário do Ceac acontece em Rondonópolis

Joaquim Barbosa ainda disse que acredita que a presidente não tomou as decisões na qual a população tinha expectativas. “Ela foi perdendo o elo com o eleitorado, a presidente não soube se posicionar corretamente com os fatos que a população julgava importante”, disse o ex-ministro.

O público ainda questionou ao ex-representante do Judiciário a respeito da Operação Lava Jato. “Eu não gostaria de tecer comentários sobre a operação. Faz pouco tempo que deixei o Poder Judiciário. Seria impróprio da minha parte. Mas pelo que vi até agora a Justiça está cumprindo seu papel, sem se deixar intimidar por ameaças, tudo sendo feito com serenidade”.

Ainda durante a palestra, Joaquim Barbosa disse ser contra o cooperativismo no âmbito político, quanto a duração das propagandas eleitorais, tendo taxado inclusive estas, como pouco produtivas e educacionais. E disse ser a favor do voto distrital e que por outro lado, acredita que o sistema eleitoral do país está esgotado e precisa mudar.

Leia também:  Não suportando o calor, homem pula da ponte nova e fica ferido em Rondonópolis

Ao final da palestra, Joaquim Barbosa deixou um questionamento de reflexão ao público. “Vale a pena pedir socorro para o Poder Judiciário? ” E completou a pergunta dizendo para ser levado em conta que a justiça é lenta e cheia de práticas até ‘bizarras’, concluindo que atualmente é impossível resolver todas as demandas.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.