A pedido do Ministério Público do Estado de Mato Grosso, a Justiça decretou a prisão preventiva de duas moradoras do município de Aripuanã por contribuírem para propagação de epidemia de dengue e desacatarem três funcionários públicos em exercício da função. Apesar de terem em suas residências diversos focos do mosquito, as moradoras não adotaram nenhuma providência para resolver o problema.

De acordo com a denúncia do Ministério Público, no dia 8 de outubro de 2015 agentes da Vigilância Sanitária fizeram fiscalização em diversas residências na cidade com objetivo de prevenir e combater focos de proliferação do mosquito Aedes aegypti. Durante a fiscalização, a equipe encontrou diversos focos do mosquito na residência de propriedade das acusadas.

Leia também:  Primavera do Leste | MPE denuncia organização criminosa que atuava no ramo imobiliário

Segundo a denúncia, ao serem notificadas e multadas pela Vigilância L.V.C e sua filha desacataram os agentes de saúde proferindo diversos palavrões. Notificadas pelo Ministério Público,compareceram a promotoria de Justiça e se comprometeram a adotar as medidas necessárias para acabar com os focos de larvas em sua residência, mas em uma nova fiscalização foi constatado que nada havia sido feito.

Segundo o promotor de Justiça Matheus Pavão de Oliveira, o pedido de prisão visa garantir a ordem pública tendo em vista a gravidade da epidemia na cidade que se evidencia pelo recente decreto municipal nº 2780/2016, publicado em 05/02/2016 no qual a prefeitura de Aripuanã decretou situação de emergência.

Na decisão o magistrado destacou que o delito trata-se de crime relacionado à saúde pública, cuja pena máxima é superior a 04 anos

Leia também:  Dono de cervejaria se oferece para pagar advogado de "renome" para Silval
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.