Imagem: festival de teatro da amazonia
Foto: Assessoria

O Festival de Teatro da Amazônia Mato-grossense, idealizado, organizado e realizado pelo Teatro Experimental de Alta Floresta (TEAF), terminou nesse Domingo 13, com avaliação positiva por organizadores, público e participantes. O evento começou dia 05 de Novembro e foi realizado no Espaço Cultural TEAF em Alta Floresta, contou também com ações externas em Escolas Públicas de Alta Floresta e uma apresentação na “Feira Livre” da cidade. Alem de Oficinas e Tertúlias Teatrais-atividades de interação com outros grupos, para troca de conhecimento e experiências.

Durante o Festival, 17 apresentações e espetáculos, 42 artistas de 03 estados brasileiros, levaram arte e cultura ao público total de 2.550 pessoas. Com o objetivo de levar as ações ao encontro da população, 1.130 alunos de escolas públicas foram atendidos, destes 800 em ações externas diretamente nas escolas. Ronaldo Adriano, coordenador do evento, fala sobre a avaliação do idealizador.

“A nossa avaliação é positiva, com um cenário um pouco adverso na questão financeira, mas conseguimos superar isso e o resultado foi muito positivo o principal aspecto que nos faz acreditar é que do ponto de vista artístico o festival foi grande. Isso transforma o Festival num importante acontecimento na cidade. Tivemos grandes espetáculos de grupos com experiências internacionais. Outro ponto de destaque é que levamos ações a escolas públicas do município e a ‘Feira livre’.” Dando ênfase ao caráter, também, social do Festival.

Leia também:  Captação de leite registra queda de 10,3% em MT

A Cia. Carne Agonizante, de São Paulo-SP, apresentou 03 espetáculos e ministrou duas oficinas. A companhia que tem como diretor Sandro Borelli, fez sua primeira viagem a Mato Grosso na qual Alta Floresta foi a segunda cidade visitada. Ele fala sobre a participação no Festival, “Poder participar foi uma dádiva, não conhecia o Festival e a surpresa foi enorme Fiquei muito feliz de estar acontecendo uma efervescência artística aqui na região. O nível de entendimento, sensibilidade e compreensão foi altíssimo. E pra mim foi muito bom, nesses 05 dias, eu ampliei meus conhecimentos graças ao Festival.” Destaca a surpresa em conhecer e participar.

Participou também o grupo O Imaginário de Porto Velho-RO, que dentre as apresentações está o espetáculo “As Mulheres do Aluá”. O grupo já participou do Festival em outras oportunidades. Agrael de Jesus, atriz do espetáculo, destaca a impotência do evento para a cultura, “Foi muito bom o Festival é muito importante a participação e envolvimento. Sempre doamos, mas recebemos muito mais. Todos os dias casa cheia é muito bom ao final do espetáculo receber um abraço e a pessoa falar, ‘Obrigado, você mudou minha visão de mundo’. Apesar das dificuldades nós não vamos desistir de fazer teatro de levar cultura, alegria e vida as pessoas, sempre em frente.” Destacando a importância do Festival e das ações de interação com outros grupos.

Leia também:  Com mais de 250 mil inscritos, Seduc MT altera data das provas de concurso

O Festival foi encerrado no domingo de manhã, pelo grupo Tibanaré de Cuiaba, que apresentou o espetáculo “Andarilhos das Estrelas”, na “Feira Livre”, o tradicional café da manhã dos Alta-florestenses, teve ingrediente especial, muita musica, alegria e cultura. Com as ações dessa sétima edição, o festival atendeu público variado de todas as idades. No Espaço Cultural TEAF, ou externas a quantidade de público superou o esperado. Gerlano Barros, que assistiu “As Mulheres do Aluá”, destaca a importância do Festival e de ter tido espetáculos que abordam questões sociais e políticas, “O Festival foi de grande riqueza cultural e social, pra mim agregou conhecimento como ser humano e também nas possibilidades de reflexões sociais .” Finaliza.

Leia também:  Concurso da educação tem a participação de mais de 100 mil pessoas

O Festival de Teatro da Amazônia Mato-grossense, integra o Circuito de Festivais de Teatro de Mato Grosso, idealizado pela Secretaria de Estado de Cultura, com patrocínio do Governo do Estado de Mato Grosso. Com o término dessa edição do Festival o grupo volta atenções para ações de manutenção do Espaço Cultural TEAF, com destaque para a “Biblioteca Anderson Flores”, que é aberta ao público e tem vasto acervo sobre; arte, cultura, filosofia, sociologia e literatura. As atividades do TEAF, são divulgadas na página do grupo no Facebook www.facebook.com/teatroexperimentaldealtafloresta ou pelo site www.teatroexperimental.com.br. Acompanhem e participem das próximas ações.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.