A partir desta segunda-feira (13), a diretoria da Santa Casa de Rondonópolis, oficializou o fechamento total da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Pediátrica, a ala foi inaugurada há cerca de um ano e três  meses pelo atual governador Pedro Taques.

Diretores da Santa Casa para o fechamento da UTI - Foto: Varlei Cordova/AGORAMT
Diretores da Santa Casa para o fechamento da UTI – Foto: Varlei Cordova/AGORAMT

Na tarde desta segunda-feira, os diretores que estão à frente da Santa Casa, anunciaram contra vontade deles e da população o fechamento total da UTI Pediátrica, em decorrência dos honorários das equipes médicas, os profissionais estão há quatro meses sem receber salários que deveriam ser repassados pelo governo do Estado de Mato Grosso.

De acordo com o Vice Diretor da Santa Casa, Kemper Pereira, a dívida total do estado com a Santa Casa é de cerca de R$  5.300.000 (cinco milhões e trezentos mil reais), mesmo com pagamento de aproximadamente R$ 868.429 (oitocentos e sessenta e oito mil e quatrocentos e vinte e nove mil reais) repassados pela governo do estado com a prefeitura, na sexta-feira (10), não é possível a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Pediátrica voltar a funcionar.

Leia também:  Sargento Barreto e filha de 13 anos morrem em acidente na MT-344
Dr kemper fala do fechamento da uti pediátrica da Santa Casa - Foto: Varlei Cordova/AGORAMT
Dr Kemper fala do fechamento da UTI Pediátrica da Santa Casa – Foto: Varlei Cordova/AGORAMT

“Esse valor depositado em conta é referente ao recurso voltado a procedimentos de Média e Alta Complexidade (MAC) e serve como pagamento do mês de julho, aos profissionais que atuavam na UTI, ainda falta o pagamento dos meses de agosto, setembro e outubro deste ano. É duro pensar que chegamos ao extremo, não é por falta da gente falar, da gente avisar. Isso é uma coisa que vem desde as paralisações dos anos de 2013, 2014, 2015 e o estado não tem como cobrir todo o valor que tem em aberto não somente com a Santa Casa, mas com todos os hospitais filantrópicos de Mato Grosso” explicou o vice diretor.

Leia também:  Finanças apresenta prestação de contas à sociedade

 

Fecha as portas da UTI pediátrica da Santa Casa - Foto: Varlei Cordova/AGORAMT
UTI pediátrica da Santa Casa fecha as portas por atraso de recursos do governo – Foto: Varlei Cordova/AGORAMT

De acordo com o superintendente executivo da Santa Casa, Eder Lúcio de Souza, a situação que chegou a unidade, é lastimável e as duas crianças que estavam internadas na UTI, foram transferidas para a unidade de terapia neonatal, onde um espaço foi montado para elas dentro da Santa Casa, onde esperam por vagas em qualquer UTI pediátrica no estado.

“As crianças, uma de sete meses e a outra de três anos e que estavam internadas na UTI Pediátrica, foram transferidas para a Unidade de Terapia Intensiva Neonatal dentro da Santa Casa por não termos mais recursos e profissionais para atender essas crianças. A escala encerrou por falta de profissionais  e dos recursos repassados pelo governo do estado” explicou o superintendente.

Leia também:  Clima em Rondonópolis deve chegar a 40º C no final de semana
Fecha UTI na Santa Casa - Foto: Varlei Cordova/AGORAMT
Sem recursos por parte do estado, UTI Pediátrica fica vazia na Santa Casa – Foto: Varlei Cordova/AGORAMT

O superintende falou sobre a inauguração e o fechamento Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Pediátrica da Santa Casa de Rondonópolis.

“É muito triste. Há um ano e três meses atrás, nós inauguramos este local com a intenção de celebrar a vida, celebrar a vida daqueles que precisavam e precisam dessa assistência. Infelizmente, por esse motivo de força maior, a falta de recurso está nos impossibilitando de manter esse serviço em funcionamento” finalizou Eder.

Funcionários abraçados após o fechamento da uti pediátrica - Foto: Varlei Cordova/AGORAMT
Parte da equipe que atuava na UTI Pediátrica da Santa Casa de Rondonópolis  – Foto: Varlei Cordova/AGORAMT

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.