Imagem: Ana Cristina Feldner
Delegada Ana Cristina Feldner – Foto: divulgação/PJC

A delegada Ana Cristina Feldner está de volta à frente das investigações do esquema de escutas telefônicas ilegais que conhecido como “Grampolândia Pantaneira” e marcou de forma negativa a gestão do ex-governador Pedro Taques (PSDB) e também a Polícia Militar. No esquema, militares de alta patente ligados ao staff de Taques operaram uma central clandestina de escutas para monitorar ilegalmente adversários políticos do ex-governador e pessoas ligadas ao ex-secretário chefe da Casa Civil, Paulo Taques.

Felder, que é apontada como “linha dura”, voltou de licença maternidade e assumiu  o lugar do delegado Rafael Mendes Scatolon, que foi retirado dos inquéritos no dia 15 de agosto por ter ligação com testemunhas de um dos investigados. A mudança foi determinada pelo diretor-geral da Polícia Civil, Mário Dermeval de Resende. Agora ela coordena a equipe que investiga o caso. Dentro da própria Polícia Civil, houve resistência de alguns colegas contrários ao retorno dela às investigações.

Feldner já havia atuado nas investigações antes dos inquéritos serem remetidos ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) em outubro de 2017 por causa do envolvimento de Pedro Taques que era governador e tinha foro privilegiado. Após sua derrota nas urnas em outubro de 2018 e o fim do foro privilegiado o STJ remeteu as investigações para a 7ª Vara Criminal de Cuiabá em março deste ano para a continuidade de diferentes fatos que envolvem membros da Polícia Civil, do Ministério Público Estadual e do Tribunal de Justiça.

No caso da PJC, Ana Feldner vai atuar em conjunto com as delegadas Luciana Batista Canaverde e Jannira Laranjeira Siqueira Campos dando sequência às investigações de fatos relacionados à Operação Esdras, na qual prendeu, em setembro de 2017, sete pessoas envolvidas num plano para afastar o desembargador Orlando de Almeida Perri da relatoria de inquéritos no Tribunal de Justiça envolvendo as escutas ilegais.

Na época foram presos: os coronéis da Polícia Militar, Airton Benedito Siqueira Júnior e Evandro Ferraz Lesco, o sargento João Ricardo Soler, a personal trainer Helen Christy Carvalho Dias Lesco (esposa de Lesco), Paulo Taques  (ex-secretário chefe da Casa Civil e primo de Pedro Taques), o delegado da PJC, Rogers Jarbas ( ex-secretário estadual de Segurança Pública) e o empresário  José Marilson.

 

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.