09 de fevereiro de 2021
Mais
    Capa Destaques Sintep ameaça entrar em greve se houver tentativa de aulas presenciais
    APÓS ASSEMBLEIA

    Sintep ameaça entrar em greve se houver tentativa de aulas presenciais

    Imagem: sintep Sintep ameaça entrar em greve se houver tentativa de aulas presenciais
    Votação feita em Assembleia – Foto: Sintep

    A Assembleia Geral do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT), nesta segunda-feira (08.02), no estacionamento de visitantes da Assembleia Legislativa, afirmou a defesa pela vida, e deliberou pela permanência do estado de greve. A decisão só será revertida para greve geral, se houver tentativa de aulas presenciais, antes da imunização. Nesse contexto inclui-se a proposta de aulas hibridas. Com trabalho remoto e atendimento presencial de estudantes no chamado plantão de dúvidas.

    Para o presidente do Sintep/MT, Valdeir Pereira, o registro de morte na Educação Pública, cerca de 30 óbitos, durante o período de atividades remotas, é um alerta para o risco de uma contaminação entre turmas, mesmo que com apenas cinco estudantes. “Os professores são os mais interessados na retomada das atividades, desde de que vacinados. As aulas remotas dobram o desgaste e o resultado têm se mostrado insatisfatório na relação com o estudante”, destacou

    A Assembleia deliberou ainda que a Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso (Seduc-MT) assegure aos profissionais equipamentos e conectividade para o trabalho remoto. A declaração do secretário de Estado de Educação, Alan Porto, na mídia, dizendo que as escolas estão preparadas para o início do ano letivo, mesmo que de forma remota, causou indignação e foi apontada como mais uma falácia da gestão Mauro Mendes. “Exigimos condições efetivas para que o processo de ensino aprendizagem possa ocorrer. A escola é publica e tem que ter investimentos”, afirmou Valdeir Pereira.

    Foram inúmeros os pontos apresentados que constataram o desmonte da Educação Pública, o ataque e desrespeito aos profissionais. Os trabalhadores pontuaram problemas com as políticas de atribuição; prefeiturização, escola militarizada, descumprimento das Leis de Carreira, calote na Revisão Geral Anual, ataque as aposentadorias e pensões, com confisco salarial. “O governo deve estabelecer de imediato a mesa de negociação com o sindicato, inclusive para tratar de toda a pauta de reivindicação e da Campanha salarial.

    Após a Assembleia os educadores saíram em carreata (ver abaixo)percorrendo o Centro Político Administrativo (CPA), em Cuiabá, onde deixaram recados no Palácio Paiaguás, na Secretaria de Fazenda, Tribunal de Contas e, finalizando, na secretaria de Estado de Educação.

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS