Foto: Ronaldo Teixeira / Agora MT

A Organização Social São Camilo foi apresentada aos servidores do Hospital Regional Irmã Elza Giovanella, na manhã desta sexta-feira (01/07), a proposta da nova administração de manter 650 colaboradores gerou desconforto nos funcionários. Atualmente o HR possui mais de 700 servidores. O processo de troca de administração, do Governo para a São Camilo, terá prazo de 30 dias para ser executado.

A assistente social, Paula de Ávila, informou que a maioria dos servidores não são a favor da OS, pois estão preocupados com o avanço da iniciativa do setor privado na gestão pública e defende que a saúde deve ser administrada pelos órgãos públicos, mas reconhece que é preciso oferecer mais condições de trabalho observando que o hospital necessita urgentemente de reestruturação, tanto no sentido de edificação, como de equipamento e de atenção aos servidores. Durante a reunião os servidores demonstraram que também estavam preocupados com o possível corte de funcionários.

Leia também:  Durante entrega de obras, Taques destaca que não aceitará baderna e desrespeito

Wagner Almeida Dias, novo administrador do HR, afirmou que a princípio não há interesse em dispensar colaboradores, mas ponderou que haverão novas regras e regimentos que deverão ser obedecidos, justamente para que sejam cumpridas as metas estabelecidas pela Sociedade São Camilo. “Só não dará certo se não quiserem, acredito que temos tudo para desempenhar um bom trabalho para a sociedade. Contudo não é aceitável que uma pessoa esteja na fila para atendimento por vários dias”, proferiu.

O secretário de Estado de Saúde, Pedro Henry, disse que haverá uma troca, pois o Governo repassará recursos para a São Camilo e em troca será realizado procedimento que por motivos diversos não eram executados de maneira satisfatória.

Leia também:  Ultrapassagens indevidas aumentam 58% nas rodovias de MT durante o feriado de Corpus Christi

O administrador relatou que inicialmente irá conhecer as necessidades do hospital, mas a princípio afirmou que a questão da falta de ortopedistas receberá uma atenção especial, mas que todos os serviços irão funcionar.

O promotor Ari Madeira também está presente ao evento, junto com o prefetio José Carlos do Pátio (PMDB), os vereadores, Fulô (PMDB), Cido Silva (PP), Helio Pichioni (PR) e Ananias Filho (PR), Adonias Ferandes (PMDB), Manoel Silva Neto (PMDB), Luciene Lima (PP).

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.