O Comitê Olímpico Brasileiro (COB) deu início ao processo de contratação de hotéis para receber as Olimpíadas Escolares Brasileiras, que vai acontecer em Cuiabá entre os dias 25 de novembro e 08 de dezembro deste ano. Aproximadamente R$ 2 milhões serão investidos pelo COB em hospedagem para os participantes do evento, entre atletas, árbitros e comitês organizadores.

Em reunião realizada nesta quarta-feira (29.02), no Hotel Paiaguás, na Capital, membros do COB apresentaram a empresários do setor de hotelaria um panorama da quantidade de leitos e diárias necessárias durante os 14 dias de evento. “Serão em torno de 27 mil diárias totais – para os quase 5.500 participantes – com oscilações de chegadas e saídas das delegações durante o período de evento”, explica o gerente de esporte estudantil do COB, André Mattos.

Leia também:  Governo publica diretrizes para leilões de energia nova

Cada empresa hoteleira deverá receber no máximo duas delegações, sendo que cada uma delas terá, em média, 80 componentes. Assim, serão utilizados os hotéis de maior porte, para que não seja preciso distribuir integrantes de uma mesma delegação em mais de um hotel – o que dificulta a logística. As empresas menores vão hospedar os profissionais ligados às olimpíadas, como os 550 árbitros que devem ser mobilizados para os jogos.

O COB exige ainda um padrão mínimo de qualidade – quartos três estrelas – para a hospedagem dos participantes. Para isso, uma segunda equipe do comitê estará em Cuiabá no mês de março para fazer uma avaliação dos hotéis, checando se os preços estão compatíveis à qualidade oferecida, e fechar a contratação, diz Mattos.

Leia também:  Governo liquida folha de servidores e faz repasses à Saúde e municípios

Para o Comitê Olímpico, um evento como as Olimpíadas Escolares Brasileiras – categoria A, entre 15 e 17 anos, significa um investimento que gira em torno R$ 5 milhões. Isso é possível graças à Lei Agnelo Piva (Lei nº 10.264 de 2001), a qual estabelece que 2% da arrecadação bruta de todas as loterias federais do País sejam repassados ao Comitê Olímpico Brasileiro (COB) e ao Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB).

Para o secretário de Estado de Esportes, Carlos Antônio Azambuja, a parceria com setor hoteleiro foi fundamental para trazer esse evento para Mato Grosso, pois entre as exigências está um número mínimo de leitos. “O setor entendeu a importância. O evento vai melhorar a qualidade dos nossos atletas e divulgar o nome do Estado. Para a nossa juventude, é um incentivo a mais para praticar o esporte, não só como competição, mas para a melhoria da qualidade de vida”, destaca Azambuja.

Leia também:  Com maior índice de reclamações, serviço de energia elétrica é tema de debate em Rondonópolis

Quem também está satisfeito com os encaminhamentos para a realização das olimpíadas é o presidente da Associação Brasileira de Indústria de Hotéis em Mato Grosso, Luiz Verdun. Na avaliação do empresário, o evento vai proporcionar a lotação dos hotéis no período, além de ser uma espécie de treinamento para a Copa do Mundo de 2014.

Quanto aos investimentos previstos, Verdun lembra que todo o comércio, não só a hotelaria, vai usufruir das olimpíadas, pois nesses eventos há maior circulação de pessoas e com isso mais consumo, seja em supermercados, farmácias, lojas, táxis e outros. “É um impacto positivo para todo o setor comercial de Cuiabá”, resume.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.