Foto: internet
Foto: internet

O deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) é o favorito na eleição para presidente da Câmara. No Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) está prestes a reassumir a presidência, que ocupou de 2005 a 2007, quando deixou o cargo após série de denúncias.

Os dois figuram como candidatos do partido e do governo Dilma Rousseff e contam com o apoio inclusive de legendas da oposição. A eleição no Senado acontece na próxima sexta (1º), e a da Câmara, três dias depois.

Caso prevaleçam os valores aprovados até agora pela Comissão Mista de Orçamento, as duas Casas que compõem o Congresso Nacional terão, juntas, R$ 8,5 bilhões para despesas em 2013.

Roraima, Amapá, Acre, Rondônia, Alagoas, Piauí, Sergipe e Tocantins contam com menos que isso para passar o ano. Só o orçamento da Câmara (previsão de R$ 4,9 bilhões) já é maior do que os dos dois primeiros Estados citados na lista.

Leia também:  Cerca de 24 mil presos são monitorados por tornozeleiras eletrônicas

Com Alves e Calheiros, o PMDB, partido do vice-presidente Michel Temer, ocupará também os dois cargos subsequentes na linha sucessória da República.

A legenda já detém atualmente a presidência do Senado, mas a Câmara é comandada pelo PT.

Com a hegemonia no Legislativo, o PMDB ratifica sua presença no comando do país, mesmo tendo deixado de disputar a Presidência da República há 19 anos. A última candidatura do partido ao Planalto foi em 1994, com Orestes Quércia.

Na Câmara, os 513 deputados votam, por meio eletrônico, para eleger o presidente. Se ninguém alcançar a maioria absoluta, há segundo turno. No Senado, a vitória é consumada com no mínimo 41 apoios, do total de 81 senadores. A votação é secreta nas duas Casas.

Leia também:  Ex-ministro Geddel Vieira Lima é preso após descoberta de malas com R$ 51 milhões
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.