papa beija criançaApesar das manifestações ocorridas no país nas últimas semanas, muitas com ações de vandalismo, o governo brasileiro está tranquilo em relação à segurança do papa Francisco e dos mais de 2 milhões de católicos que virão ao Brasil em julho próximo para participar da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), disse o ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria-Geral da Presidência da República. O evento está programado para o Rio de Janeiro, no período de 23 a 28 de julho.

Ele descartou a necessidade de recorrer à Força Nacional ou a tropas do Exército para garantir um ambiente de segurança e tranquilidade no Rio de Janeiro, durante o evento. “Absolutamente, não [será necessário]. Não pensamos em nada disso. Inclusive porque o público da jornada tem uma marca muito forte da solidariedade”. Ressaltou que, no mínimo, 1 milhão de pessoas de fora do Rio estarão na cidade para participar do evento. “E todo mundo vem com o espírito da paz, da fraternidade”.

Leia também:  Idosa com Alzheimer quebra a perna após ser agredida por cuidadora de asilo

Após reunião, no Palácio Guanabara, com o governador Sérgio Cabral, o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, e o arcebispo do Rio, dom Orani Tempesta, o ministro disse que a vinda do papa, a seu ver, vai ajudar a elevar o nível desse processo de movimentos populares. “É uma chamada para a solidariedade e a fraternidade, que vai ao encontro da boa energia que está na rua. Nós achamos que, até lá, vai haver um processo de purificação, digamos”.

Carvalho ressaltou que nos próximos 30 dias, “muita coisa vai rolar ainda”. Observou que as manifestações estão cada vez mais repudiando o que é vandalismo. “Está havendo uma separação. A gente acha que até lá, vai estar ainda mais decantado. E, portanto, nós não estamos mais preocupados com esse aspecto”, disse. Para o ministro, embora as manifestações continuem, a Jornada Mundial da Juventude vai contribuir para o bom andamento do processo.

Leia também:  Açougueiro indignado com furtos oferece 10Kg de carne para quem dar pista do ladrão

Durante o encontro, foram debatidos os últimos preparativos para a JMJ, incluindo questões de logística relativas à vinda do papa Francisco. “Foi uma espécie de revisão dos preparativos. Passamos a ele [arcebispo] a segurança de que tudo será feito para que tudo ocorra da melhor maneira possível, o Estado brasileiro assegurando não apenas a logística, mas todo o funcionamento da cidade, do país, naqueles dias”, declarou o ministro.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.