Foram dois contatos com Luís Scola na Venezuela. Um após a estreia arrasadora da Argentina na Copa América de Caracas, diante do Paraguai, por 95 a 60, e outro justamente um dia após a trágica eliminação da seleção brasileira da competição. No primeiro, simpático e brincalhão, ele sugeriu que a entrevista fosse feita em português em tom de brincadeira e disse que jamais se sentiu o carrasco do Brasil. No segundo, mais sério e até certo ponto surpreso com a eliminação precoce do maior rival de seu país, o ala-pivô do Indiana Pacers lamentou a queda da seleção brasileira e pediu licença para abraçar de maneira respeitosa um de seus mais antigos adversários, Guilherme Giovannoni.

Apesar de toda solidariedade, no fundo, o pensamento do nono maior pontuador do torneio, com uma média de 14,3 pontos por jogo, estava longe. Especificamente em Porto Rico, primeiro desafio da Argentina na segunda fase da Copa América de Caracas, nesta quinta-feira, às 18h30min (horário de Brasília), no ginásio Poliedro. O SporTV 3 transmite a partida ao vivo. Outros três jogos completam a rodada: República Dominicana x Jamaica (12h30min), Canadá x México 15h) e Venezuela x Uruguai (21h).

Leia também:  União tem desafio diante do Luverdense em Lucas

– Essa Copa América é muito equilibrada, com grandes seleções e onde todos podem vencer todos. É uma pena que um time forte como o Brasil tenha saído tão cedo da competição. Ficamos decepcionados, pois estamos acostumados a enfrentá-los em jogos divertidos e quase sempre decisivos. Nunca me senti um carrasco do Brasil, embora todos me perguntem isso, mas costumo ir bem. Mas agora nosso foco é outro. Temos que pensar apenas na forte seleção de Porto Rico, nosso primeiro rival na próxima fase – afirmou o décimo melhor reboteiro da Copa América, com 7 rebotes anotados por partida.

No encontro que reunirá duas seleções credenciadas a conquistarem duas das quatro vagas para o Mundial da Espanha, no ano que vem, o único remanescente em Caracas da geração campeã olímpica e vice-mundial destaca a importância de uma vitória sobre um rival direto da Argentina.
– Essa partida é importante demais para gente por dois motivos: primeiro porque uma vitória nos deixará muito perto do nosso objetivo que é conquistar uma das quatro vagas, segundo porque nos dará ainda mais confiança para avançar e brigar pelo título – explicou Scola.

Leia também:  Circuito de Tênis começa nesta quarta em Cuiabá

Feliz com a mudança do Texas para Indianápolis, onde irá defender o Indiana Pacers a partir da próxima temporada da NBA, Luís Scola pediu paciência aos brasileiros. Para o ala-pivô, mais cedo ou mais tarde o Brasil também terá seu momento de protagonismo no cenário internacional.

– O Brasil tem uma seleção com grandes jovens talentos e certamente terá seu momento. Só espero que seja após a minha aposentadoria – brincou o jogador, antes de agradecer o bate-papo em português.

– Obrigado, obrigadinho – disse, com um sorriso maroto.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.