Foto: Varlei Cordova / AGORA MT
Rua que já foi adiquirida por moradores – Foto: Varlei Cordova / AGORA MT

Após a veiculação da matéria “Secretário invade e vende rua antes da posse” (Saiba Mais Aqui), alguns vereadores resolveram se manifestar sobre o assunto, informando que a prática de invasão de ruas por parte de empresários ou pessoas ligadas a política é um hábito comum em Rondonópolis.

De acordo com o vereador Lourisvaldo Manoel de Oliveira, o ‘Fulô’ (PMDB), em 2003 cinco ruas que foram ‘invadidas’ por moradores de prestígio da Vila Birigui e que depois acabaram sendo leiloadas pela prefeitura, já que a circulação de pedestres ou veículos tinha sido obstruída e uma ação demolitória para reaver a posse da via pública, não havia sido pedida por parte do poder público.

Leia também:  Professor Silvio Negri reforça em Cuiabá pedido para implantação de um posto da PM no Atlântico

“Naquele ano aconteceu tudo, escola foi vendida, ruas. Eu fico indignado com esse tipo de atitude de pessoas que por serem ricos, acham que são ‘donos’ da cidade. Chegam de outro lugar e constroem, e por causa da benfeitoria a prefeitura passa a mão na cabeça e nada acontece”, desabafou o parlamentar.

Para resolver a situação na época, a prefeitura resolveu fazer um leilão 002/2003 e regularizar as áreas para os moradores. A venda  aconteceu no no dia 16 de novembro do mesmo ano, dentro do Paço Municipal, onde foram comercializadas as ruas Humaitá, Amazonas, Sergipe, Manoel Nascimento de Oliveira e Maranhão.

Entre os compradores estão o cunhado do senador Blairo Maggi (PR), Hugo de Carvalho Ribeiro, que arrematou a rua Humaitá por um montante de R$ 57,6 mil. Adilton Sachetti (PDT),  comprou a rua Maranhão pelo mesmo valor e o ex-vereador Mohamed Zaher (PSD), apesar de ter negado a compra de uma rua, ela acabou sendo incorporada à escola que pertence a ele.

Leia também:  Deputado Nininho recebe título de cidadão de Nova Xavantina

Em uma reportagem de 2003, Mohamed Zaher (PSD), disse que Percival Muniz, prefeito na época queria criar o parque André Maggi, e teria feito permuta com o gestor, trocando o espaço por duas ruas que eram de posse de Mohamed no fundo da faculdade.

O motivo pelo qual as ruas cinco ruas foram desafetadas pela prefeitura não foi conhecido. O projeto que criaria o parque André Maggi também não saiu do papel.

Para o vereador Adonias Fernandes (PMDB), faltou planejamento na criação de Rondonópolis. “Eu acho que além da cidade não ter sido bem planejada também falta fiscalização, o município cresceu mas o poder público ficou estagnando. Precisamos dar mais acessos, liberar mais ruas e não trancá-las”, pontuou o vereador.

Leia também:  Eleitor pode requerer o voto em trânsito entre 17 de julho e 23 de agosto
Ruas leiloadas pela prefeitura - Foto: Reprodução Google Mapas
Mapa que mostra as ruas leiloadas pela prefeitura – Foto: Reprodução Google Mapas

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.