O ciclo de alta da taxa básica, a Selic, tem levado a aumento nos juros cobrados dos consumidores e empresas. De setembro para outubro, a taxa de juros para pessoas físicas subiu 1,1 %, alcançando 38,3% ao ano. No caso das empresas, o crescimento chegou a 0,1%, ficando em 20,8% ao ano, no crédito com recursos livres.

A variação nas taxas de juros cobradas pelos bancos foi divulgada nesta quinta-feira (28) pelo Banco Central (BC). O Comitê de Política Monetária (Copom) do BC elevou a taxa básica pela sexta vez seguida, ao passar de 9,5% para 10% ao ano.

Quando há aumento da Selic, o custo de captação de recursos pelos bancos aumenta e há repasse para os clientes. “As taxas começaram a subir por volta de maio e passaram a ter essa tendência de alta e isso se repetiu em outubro”, disse o chefe do Departamento Econômico do BC, Tulio Maciel.

Leia também:  Mato Grosso fica em 2º lugar no ranking de geração de empregos em todo o Brasil

Em outubro, entre as taxas de juros do crédito com recursos livres, a do crédito pessoal apresentou aumento de 6%, para 88,1%. De acordo com Maciel, essa taxa costuma oscilar muito. “É um segmento que incorpora operações com um pouco mais de risco”, acrescentou.

Já no caso do crédito consignado, a alta ficou em 0,3%, ao registrar 24,6% ao ano. Segundo Maciel, no caso do crédito consignado para servidores públicos, há muita competição entre os bancos pelos clientes, o que ajuda a manter a taxa estável. É uma modalidade de crédito com baixo risco de inadimplência. Os dados do BC também mostram que a taxa do cheque especial subiu 1,2% para 144,5% ao ano.

Leia também:  Confira as vagas de emprego desta segunda (21/08/17) em Rondonópolis
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.