A Eletrobras teve prejuízo líquido de R$ 5,5 bilhões no quarto trimestre, quase metade das perdas registradas um ano antes, quando a empresa reduziu de forma expressiva o valor contábil de ativos diante do processo oneroso de renovação de concessões do setor elétrico.

Na comparação com o terceiro trimestre de 2013, o prejuízo consolidado da holding estatal cresceu mais de cinco vezes, influenciado, nessa base comparativa, por despesa financeira líquida de R$ 556 milhões e aumento de 44% nas despesas com pessoal, material e serviços, sendo o primeiro item influenciado pelos gastos com o plano de demissão voluntária.

Além disso, pesaram sobre a linha final do demonstrativo de outubro a dezembro de 2013 quase R$ 3,7 bilhões em provisões operacionais. Os maiores lançamentos aí foram reduções no valor contábil de ativos de geração e transmissão da Chesf (R$ 620,3 milhões) e da Eletronuclear (R$ 532,5 milhões).

Leia também:  Valor médio da gasolina sobe e atinge recorde de R$ 3,85 para o consumidor

A receita líquida da Eletrobras totalizou R$ 6 bilhões no quarto trimestre, contra R$ 8,2 bilhões um ano antes, afetada por menores tarifas em geração e transmissão de energia que tiveram suas concessões renovadas antecipadamente.

A geração de caixa medida pelo Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação) foi negativa em R$ 1,4 bilhão no quarto trimestre na soma das empresas controladas pela Eletrobras. Apenas as distribuidoras federalizadas tiveram Ebitda negativo de R$ 1 bilhão no período.

No acumulado de 2013, a Eletrobras teve prejuízo de R$ 6,3 bilhões, contra perda de R$ 6,9 bilhões em 2012. A receita líquida anual caiu quase 15%, para R$ 23,8 bilhões.

Leia também:  Dia das Crianças: Comércio estima aumento de 100% nas vendas em Rondonópolis | TV Agora
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.