A greve dos servidores do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), iniciada terça-feira (7), interrompeu parcialmente os serviços do órgão. Na manhã de hoje (13), algumas agências da capital paulista estavam completamente fechadas. Em outras, era possível receber os atendimentos agendados. Segundo o último balanço do Ministério da Previdência Social, 6% das 264 agências do estado de São Paulo estão totalmente paralisadas e em 13% o funcionamento é parcial.

De acordo com dados do ministério, em todo o país, 240 agências estão totalmente paralisadas (15% do total) e, em 307, o funcionamento é parcial (19,1%). Mato Grosso e Bahia são os estados com maior adesão à greve. Nesses estados, 59% e 46%, respectivamente, dos locais de atendimento estão fechados.

Leia também:  Primeira etapa do revalida é realizada com mais de 7 mil inscritos

A Associação Nacional dos Servidores da Previdência Social estima que 80% da categoria aderiram à paralisação. Amanhã (14), a entidade deve divulgar um balanço do movimento. Os servidores reivindicam reajuste de 27,3%. Até o momento o governo ofereceu 21,3%, divididos em quatro parcelas anuais.

Na agência da Rua Coronel Xavier de Toledo, centro da capital, o portão fechado e os cartazes deixavam clara a adesão dos funcionários ao movimento. Eliane Cassiano, de 46 anos, levou uma hora e meia do Bairro Piraporinha, na zona sul, até a porta da agência.

“Tentei marcar perícia para meu filho. Pensei que não havia greve aqui no centro.” Eliane está preocupada com a possibilidade de o filho Bruno, de 26 anos, que sofreu um acidente de moto trabalhando, não receber os benefícios a que tem direito. “Será que vai ficar muito tempo assim [em greve]?”, questionou.

Leia também:  Embarcação com mais de 120 pessoas a bordo naufraga em Salvador

No Glicério, região central, os atendimentos agendados estavam mantidos. Alguns casos, como o do aposentado Flávio Bianchini, estão ficando para depois. “Queria cancelar uma aposentadoria. Isso é um atendimento que se resolve na hora, mas não fui atendido”, explicou.

Auxiliar de limpeza, Guaraci Paula de Lima Gomes conseguiu ser atendida, mas estava apreensiva com a continuidade do processo. “Terei de marcar nova perícia sobre perícias ocupacionais. Como tá de greve, vamos ver como vai ficar. Se será rápido ou se vai demorar.”

Quem não for atendido por causa da greve terá a data remarcada. O reagendamento será feito pela própria agência. O segurado poderá confirmar a nova data pelo número de atendimento 135, um dia após o agendamento inicial. O INSS informou que considerará a data originalmente agendada como o de entrada do requerimento, de modo a evitar prejuízo financeiro nos benefícios do segurado.

Leia também:  Mais de 80 pessoas são presas em flagrante em operação contra a pedofilia

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.