Devido a um surto de caxumba, a Secretaria de Justiça e Cidadania do Distrito Federal suspendeu as visitas aos detentos de duas unidades do Complexo Penitenciário da Papuda por tempo indeterminado. Segundo a Subsecretaria do Sistema Penitenciário, a medida é preventiva e visa a impedir que a doença se espalhe, porém, não há relatos de casos em outros estabelecimentos penais do Distrito Federal.

Reprodução
Reprodução

Até a última segunda-feira (8), 69 detentos de três alas do bloco I do Centro de Detenção Provisória (CDP) já tinham sido diagnosticados com a doença. Quatro apenados e uma servidora do Centro de Internamento e Reeducação (CIR) também apresentam os mesmos sintomas, totalizando 74 doentes. Um novo levantamento deve ser anunciado nesta quinta-feira (11).

Leia também:  Bebê baleado no útero da mãe morre após um mês em UTI

A suspeita é de que a doença se espalhou a partir do bloco I do CDP e de algumas alas do CIR. Por esse motivo, a movimentação nesses espaços foi reduzida e os internos, vacinados. Todo o pessoal que trabalha no complexo também está recebendo a vacina. O bloco I e as instalações do CIR atingidas deverão permanecer isolados por pelo menos dez dias contados a partir do último caso identificado da doença. Internos sintomáticos não poderão circular fora dos centros por um período de 30 dias.

A Subsecretaria do Sistema Penitenciário garantiu que manterá ao menos um médico e uma equipe de enfermeiros de plantão. Caso seja necessário, os internos que apresentarem os sintomas da caxumba serão transferidos para um dos três hospitais públicos de referência que contam com salas prisionais (Hospital Regional da Asa Norte, o Hospital Regional do Paranoá e o Hospital de Base).

Leia também:  Sitiante fica apavorado após ter casa arrombada por casal de chimpanzés em SP
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.