Imagem: prefeitura acorizal
Prefeitura de Acorizal – Foto: divulgação

O município de Acorizal, sob o comando do prefeito Clodoaldo Monteiro (PSDB), anunciou nesta terça-feira (19) o fechamento da Prefeitura por quase 50 dias. A assessoria do município informou ao PORTAL AGORA MATO GROSSO que os servidores estão liberados desde esta segunda-feira (18) até 5 de janeiro de 2020.

A ideia é conter as despesas no final do ano. Somente serviços essenciais como saúde, educação, assistência social, limpeza pública, distribuição de água e coleta de resíduos sólidos serão mantidos.

O prefeito Clodoaldo Monteiro alega crise econômica e informa que serão rescindidos contratos de trabalho e cargos comissionados serão exonerados.

Imagem: barao de melgaço
Placa na entrada do município de Barão de Melgaço – Foto: divulgação

Em Barão de Melgaço (MT), o prefeito Elvio de Souza Queiroz (PSC) também recorreu a medidas extremas para ajustar as contas do Município, mas não fechará a Prefeitura. A assessoria disse, em nota, que uma das medidas é a demissão de todos os contratados e comissionados, além da redução dos salários do primeiro escalão.

No caso dos salários, a redução será de 30% para o prefeito, vice-prefeito, secretários, controlador interno, pregoeiro e procurador-geral do município. Os contratados e comissionados serão demitidos, porém, não foi informado quantas pessoas serão exoneradas.

A Prefeitura de Chapada dos Guimarães também só voltará a ter expediente normal no dia 12 de janeiro de 2020. A assessoria da prefeita Thelma de Oliveira (PSDB) explicou que a medida é necessária para manutenção do equilíbrio financeiro e cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Um dos motivos apontados é a redução de repasses do ICMS e do FPM.

Leverger foi o primeiro

Imagem: Leverger
Prefeito de Leverger, Valdirzinho – Foto: reprodução

A prefeitura de Santo Antônio do Leverger (MT) foi a primeira a anunciar medidas de contenção de gastos por determinação do prefeito Valdir Castro, o Valdirzinho (PSD), que decretou recesso municipal de 60 dias.

Valdirzinho alega falta de recursos e baixa arrecadação de modo que não consegue honrar com os compromissos financeiros com servidores, fornecedores e demais serviços públicos.

Pelos próximos dois meses serão oferecidos somente serviços essenciais como saúde, educação e coleta de lixo. Nesse período, será concluído um estudo de contenção de despesas com objetivo de demitir 40% dos funcionários contratados e comissionados.

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.