30 de julho de 2021
Mais
    Capa Notícias Nova lei deve melhorar prevenção ao diabetes em MT
    SAÚDE

    Nova lei deve melhorar prevenção ao diabetes em MT

    Governo sancionou lei definindo diretrizes para a prevenção do diabetes e garantia de assistência Integral à pessoa diabética em Mato Grosso

    Imagem: Pre diabetes exame glicose Nova lei deve melhorar prevenção ao diabetes em MT
    Lei prevê realização de campanhas para orientação e ações visando ampliar o atendimento no Estado. – Foto: Reprodução

    O Governo do Estado sancionou nesta semana a Lei 11.462/21 que pode representar um avanço importante no combate e prevenção à diabetes, doença que atinge cerca de 17 milhões de brasileiros e pode ser desenvolvida por outros 40 milhões. A lei abre caminho para ações no âmbito estadual com a participação direta da sociedade na definição dos investimentos.

    A proposta surgiu de um projeto apresentado pelo deputado Eduardo Botelho (DEM) e complementa as disposições da Lei Federal 13.895/19, que institui a Política Nacional de Prevenção do Diabetes e de Assistência Integral à Pessoa Diabética.

    Ela estabelece como diretrizes a universalidade, integralidade, equidade, descentralização e a participação da sociedade na definição e no controle das ações e dos serviços de saúde. A prioridade será para as ações coletivas e preventivas, como campanhas de orientação sobre condutas que podem ajudar prevenir a doença.

    “É preciso adquirir hábitos saudáveis, praticar atividades físicas regularmente, evitar consumo de bebidas alcóolicas e cigarro. Com essa lei, as campanhas publicitárias poderão ajudar, sobremaneira, a alertar a população sobre os riscos dessa doença”, diz Eduardo Botelho.

    Imagem: Eduardo Botelho scaled Nova lei deve melhorar prevenção ao diabetes em MT
    O deputado Eduardo Botelho, diz que informação e participação da sociedade podem melhorar prevenção – Foto: Assessoria

    A lei também prevê que as campanhas orientem sobre os sintomas e estimulem a procura às unidades de Saúde em caso de dúvidas.

    Ela também determina o desenvolvimento de instrumentos de informação, análise, avaliação e controle por parte dos serviços de saúde visando ampliar a eficiência dos tratamentos através do atendimento e diagnóstico precoces.

    Os dados oficiais mostram que no Brasil cerca de 90% das pessoas com a doença têm Diabetes Tipo 1, que aparece comumente na infância, adolescência e adultos jovens (mas pode surgir no adulto) e seu tratamento exige a aplicação diária da insulina injetável.

    Já o diabetes Tipo 2, o segundo mais comum, está diretamente relacionado ao sobrepeso, sedentarismo, triglicerídeos elevados (colesterol alto), hipertensão e hábitos alimentares inadequados.